ÍDOLO

30/07/2015 postado: 30/07/2015

  • Compartilhe:

Emocionado, goleiro Éverson, Paredão, se despede do Confiança.

Emocionado, goleiro Éverson, Paredão, se despede do Confiança.

Em nome do clube e da torcida, presidente Luiz Roberto agradece a Éverson.

Em nome do clube e da torcida, presidente Luiz Roberto agradece a Éverson.

Éverson ganhou terço azulino do presidente Luiz Roberto.

Éverson ganhou terço azulino do presidente Luiz Roberto.

Com direito à faixa, Paredão também se despediu de torcedores.

Com direito à faixa, Paredão também se despediu de torcedores.

Assim que começou a entrevista coletiva que oficializou a saída do eterno capitão azulino Éverson, para a imprensa, o presidente Luiz Roberto fez questão de tomar a frente, e presentear o agora goleiro do Ceará Sporting Club com um terço azulino, vindo diretamente de terras lusitanas.

“Éverson, este terço é um objeto pessoal meu, pelo qual tenho grande apreço. Foi comprado Cidade de Fátima, me acompanha há muito tempo e é um terço azul - risos. É um presente para que você nunca esqueça o Confiança, e nem a pessoa que vos fala, e se possível, espero que ele te acompanhe em suas partidas pelo novo clube”, disse o presidente ao presentear o Paredão.

Éverson, que há dois dias vive um estado constante de intensas emoções, aceitou o presente e o colocou ao redor do pescoço na mesma hora, e balbuciou sua gratidão embolada ao choro contido. “Muito obrigado presidente. De coração. Sem palavras”, agradeceu o goleiro.

Expectativas

Para Éverson, o horizonte é extenso, e o sol reluzente. Após um ano no Confiança, o goleiro, que foi fundamental para as recentes conquistas do Dragão, como o acesso à Série C e a conquista do bicampeonato estadual, acabou se destacando e chamando a atenção de outros clubes.

Acabou sendo observado pelo Ceará, e sondado desde as partidas disputadas pelo Confiança contra o Vozão, na Copa do Brasil. Bom para o Ceará, pois o ex-capitão azulino vive um ótimo momento, está no auge da forma física, e tem a inteligência emocional característica de um grande líder.

“Todos nós sabemos como funciona o mercado da bola. A proposta é muito boa para mim. Tenho meus projetos pessoais, enquanto atleta, minhas metas profissionais, e essa nova etapa me proporcionará um salto muito grande. Estou partindo, emocionado, mas vou tranquilo, pois acredito ter feito um bom trabalho aqui, e sei que no meu lugar fica um aleta muito capacitado, e que tem a confiança não só do professor Betinho, mas de todo o elenco”, disse Éverson, se referindo a Rafael Sandes, agora titular da meta azulina.

A oportunidade de poder proporcionar à família uma vida melhor, também foi determinante. “Tenho minhas obrigações enquanto pai e marido. A vida de jogador é uma vida Nômade. Hoje estamos aqui, amanhã ali. É assim, e quem nos acompanha é nossa família, que abre mão de uma vida estável para seguir conosco. Saber que eu vou poder compensá-los pelo apoio e amor incondicionais que eles me proporcionam, é algo que me realiza profundamente enquanto homem e chefe de família”, disse o Paredão.

 

Emoção

Até então capitão do time, e um dos maiores ídolos do atual elenco, a partida de Éverson causou verdadeira comoção no Sabino Ribeiro. A notícia da possível saída do goleiro mobilizou toda a imprensa esportiva, e gerou um verdadeiro frisson nas redes sociais e entre a torcida azulina.

Muitos torcedores, inclusive, se fizeram presentes no Batistão para a despedida do Paredão, e também o homenagearam com faixa, aplausos e clássica canção: “Ão, ão, ão, meu goleiro é paredão”. Éverson tirou fotos com os fãs, e aproveitou para se emocionar e chorar mais um pouco.

“Rapaz, estou chorando copiosamente faz dois dias”, disse sorrindo - e chorando -, Éverson. “São muitas homenagens chegando a toda hora, sem parar, desde ontem de manhã. É facebook, Instagran, Whats App, fora os telefonemas”, revelou Éverson emocionado.

“Enfim, não pára, e isso tudo é muito bom, pois demonstra o carinho que colegas, dirigentes e torcedores têm por mim. Pelo que o Confiança representa para minha vida, enquanto atleta e enquanto homem, é impossível não me emocionar.”, desabafou o atleta.

Mesmo de partida para um clube mais estruturado, e para receber um salário consideravelmente maior, o jogador afirma que a despedida dá um aperto no peito, e que não deixará de acompanhar os jogos do Confiança. E para a torcida Azulina, Éverson deixou um recado especial: “No que depender de mim, isso não é um adeus, mas um até logo, pois espero, um dia, poder voltar e defender essa camisa novamente”, prometeu, batendo no peito, o Paredão.